Atualização Cadastral App Store Google Play facebook twitter youtube

Artigos

 

Desigrejados, será?

Publicado em: 13/09/2017 por CBN-SP

Desigrejados, será?

Antes de tudo quero dizer que tenho amigos queridos que são corajosos batalhadores nesta seara de agrupar e cuidar daqueles assim intitulados “desigrejados”. Meu comentário não tem a ver com nenhum ataque pessoal apenas um simples manifesto de um pequeno servo a serviço do Reino. Mas quem são os desigrejados? Elencam-se vários adeptos desta situação: Os decepcionados com as instituições; os mau cuidados pela instituição e seus líderes; os decepcionados por não terem suas expectativas alcançadas; Os que se escandalizaram por condutas inadequadas de líderes e outros e todo tipo de descontente por qualquer outro motivo e por isso optam em se afastar da igreja institucional. Afirmam que continuam sendo igreja, mas que não querem nenhum contato com as instituições.

Vivemos uma época complicada onde o pensamento anti-institucional é corrente não somente no meio religioso, mas na sociedade como um todo. As principais instituições como família, escola, governamentais e também a igreja vem sofrendo enormes ataques e defende-las tornou-se politicamente incorreto. Parece que ser pró instituição é ser ultrapassado, antiquado.

Vivemos um momento plural do ponto de vista da diversidade de pensamentos e igrejas, mas também pontual quanto a esta crise social anti-institucional.

De fato, podemos ser e somos igreja sem a necessidade de rótulos e nomes institucionais, mas o que de fato me incomoda não e se o indivíduo frequenta uma igreja sem nome ou posicionamento institucional, mas o fato de muitos ao enfrentarem desgostos e decepções optam por afastar-se da igreja corpo, institucionalizada ou não.

Antes de prosseguir neste ponto quero manifestar minha enorme preocupação com aquilo que chamo de “ataque com arma branca” a igreja institucionalizada. As instituições evangélicas não são atacadas com armas de fogo, mas com pequenos cortes de estilete, facas e outras armadilhas que vão causando pequenos ferimentos, fazendo sangrar com hemorragia incessante. Alguns com o auxílio de vasta erudição e concatenada facilidade na formação de pensamentos tem não de forma direta (arma de fogo) mas sutilmente incutido na mente das pessoas que fazer parte de uma igreja institucionalizada e ruim, desnecessário e não condiz em nada com o Reino de Deus. Que ser membro da igreja A ou B não é coisa espiritual e sim de homens e desligar se é cumprir com algo espiritual e santo.

A bem da verdade sabemos que existem muitos e péssimos testemunhos vindos das igrejas que tornaram -se amplamente conhecidos e divulgados de forma global com rapidez de um raio através das muitas formas de relacionamentos cibernéticos que estão ao alcance de todos. Abusos financeiros, decepções morais, apostasias e heresias do discipulado, falta de cuidado enfim, tudo isso também e real.

Mas o que fazer?

Como podemos encontrar um denominador comum nisto tudo?

Noutro dia conversava com um querido irmão líder de um movimento cristão evangélico que se auto denomina sem rótulos pois não está ligada a nenhuma denominação conhecida, mas o interessante é que neste novo movimento não institucionalizado seguem-se os mesmos padrões norteadores que as igrejas formais. São igreja pois o corpo de Cristo também se reúne naquele local pré-determinado todas as semanas, são bíblicos pois professam a Palavra de Deus. A diferença está unicamente no fato de se reunirem informalmente. Não há estatutos e regimentos internos mas há todo o mais necessário para manter-se a ordem e a decência exigida de qualquer grupo que se reúna para expressar sua fé.

Se o caro leitor pertencer há um destes movimentos evangélicos sem rótulos denominacionais, mas que professam a verdadeira fé em Cristo Jesus, reúne-se periodicamente ao Corpo (igreja) para cultuar a Deus o Pai, a seu Filho Jesus e ao Espirito Santo, amem, mas saiba que a única diferença é a falsa ideia de liberdade institucional proporcionada meramente pela falta de uma burocracia exigida por lei.

Agora se o leitor já pertenceu a uma igreja, decepcionou-se, foi maltratado, não cuidado enfim…e por isso apartou-se não querendo mais nenhum vínculo com qualquer igreja seja institucional ou não, me perdoe, mas neste caso o problema não é a igreja e sim você!

Pode até ser antipático o que vou dizer, mas igrejas são feitas de pessoas e pessoas são imperfeitas. Igreja são um número indeterminado de pessoas imperfeitas que tem como único alvo serem parecidas cada vez mais com Jesus, nosso mestre, e nesta caminhada pela busca desta perfeição cometem erros.

Se você se sente traído, usado, humilhado, maltratado por líderes e instituições busque outro lugar para servir a Deus ou então faça como a maioria dos crentes faz, ore! A oração tem poder para mudar o imutável.

Há uns dois anos atrás me deparei com uma história muito interessante. Uma irmã membro da igreja que pastoreava perdeu sua mãe que a criou. Não era sua mãe biológica, mas a criou com todo o amor e fui ao velório daquela mulher. Não pude (e como pastor poderia) me manifestar, pois, a igreja a qual fazia parte era restritiva e não permitia que pastores de outras denominações falassem de surpresa. Ao ver o modo como procederam fiquei imaginando como aquela igreja podia ser rígida também com seus membros, mas isso não impediu que aquela mulher que velávamos participasse daquela mesma igreja a 80 anos, isso mesmo 80 anos. Ela se converteu aos 16 anos ali naquele mesmo lugar e faleceu aos 96 anos servindo a Deus no mesmo lugar.

Será que nunca teve problemas ao longo de oitenta anos? Será que nunca ficou decepcionada com líderes? Será que a instituição nunca foi severa demais? A resposta para isso é SIM!! Mas então porque nunca mudou de igreja ou pior, afastou-se do corpo? Os testemunhos sobre a vida dela no momento das últimas homenagens responderam esta minha indagação: A irmã Lindalva (nome fictício) era uma mulher de fé e orações; A irmã foi uma pessoa humilde que sempre estava disposta a ajudar; Nossa irmã sempre procurou ser útil aos seus líderes; e várias outras manifestações de amor e fé foram ditas por familiares e irmãos da igreja.

Caro leitor se você tem se considerado um desigrejados volte para a igreja de Jesus. Afastados do corpo somos semelhantes a um dedo ou um braço amarrado com torniquete. O sangue não flui, o membro seca ou gangrena e morre de vez.

Precisamos estar ativos no corpo! Nem sempre fazer parte da igreja vai ser agradável, mas e só na igreja que somos levados a sã doutrina. É na igreja que participamos da comunhão dos santos. É na igreja e através dela que recebemos o bem de Deus. Fazer parte desta ou daquela denominação e opcional, uma escolha nossa. Creio que Deus permitiu que existam inúmeras denominações pois as pessoas são diferentes. Não se adaptou a uma delas, mude você tem este direito, mas lembre-se que do lugar de onde você saiu permaneceram ali pessoas que amam aquele lugar como sua igreja por isso não fale mal mas ore e abençoe aquele lugar.

A igreja institucional não vai subir com Cristo, mas fazer parte dela também é muito bom, mas o melhor de tudo e saber que com nome ou sem nome, institucional ou novo movimento, ser igreja é a melhor coisa que existe.

Deus nos abençoe.

José Ricardo Gonzales
Pastor IBN Novo Tempo

 

 

 

logo
home   |   sobre nós   |   artigos   |   galeria   |   download   |   contato
Rua Lavradio, 424 - 01154-020 - Barra Funda - São Paulo - SP - cbnsp@uol.com.br - Tel: 11 3662-6000 / 11 3014-5050
Horário de atendimento ao público: de terça-feira à sexta-feira, das 9h00 às 17h00.
Copyright ©2017 Convenção Batista Nacional do Estado de São Paulo. Todos os direitos reservados. Desenvolvimento: MFC Comunicação.
Topo