Atualização Cadastral App Store Google Play facebook twitter youtube

Artigos

 

Algumas considerações sobre a importância da igreja local organizada

Publicado em: 10/01/2019 por CBN-SP

artigo_2019

As Escrituras permitem formular duas realidades relativas à igreja: a existência de uma igreja visível, que é local e organizada, e a existência de uma igreja invisível, universal e unida nos pontos centrais do cristianismo evangélico histórico.

A igreja visível é a igreja local organizada. Alguns têm argumentado que Jesus não “fundou” uma igreja organizada e que, por esse motivo, a igreja hoje não deve ser organizada. No entanto, há um erro de metodologia nessa análise: Jesus não se preocupou em estabelecer bases organizacionais da igreja porque essa não era a missão dele. Azevedo (2011, p.7) comenta que a igreja não é o Reino de Deus e, argumentando a partir de Alfred Loisy, mostra a distinção dos papéis de Jesus e da igreja:

“Alfred Loisy disse corretamente que Cristo pregou o Reino de Deus, mas o que surgiu foi a igreja ou o cristianismo. Loisy se equivocou no seu pressuposto: Jesus só poderia pregar o Reino e nós só podemos viver a igreja. O Reino tem a marca do caráter de Deus, que o implanta. A igreja tem a marca dos nossos, que a construímos. A igreja, no entanto, deve refletir o Reino, como cada um de nós pode refletir o caráter do pai”. *

Essa distinção entre as missões de Jesus e da igreja são importantíssimas para compreendermos a organização da igreja no Novo Testamento. O registro de Atos é certeiro: o apóstolo Pedro implantou a separação de diáconos para o serviço, havia coletas para a organização da missão da igreja local reunida, houve concílio teológico a propósito da organização da doutrina da igreja, foram chamados presbíteros de igrejas locais e organizadas espalhadas pelas regiões da Judeia e Ásia, o que demonstra a liderança de igrejas locais unidas com os apóstolos, mas independentes em termos de atuação ministerial em seus espaços geográficos.

A missão de Jesus é a manifestação messiânica em poder e glória e sua morte vicária. Não faz sentido acharmos que a vontade de Deus é que vivamos três anos peregrinando pela terra fazendo milagres e prodígios à semelhança de Jesus. O que Jesus fez foi único na história. Suas manifestações poderosas foram previstas pelos profetas como sendo a marca distintiva do seu ministério messiânico. Como poderíamos revogar um ministério igual? Alguém poderia se perguntar o seguinte:

– mas, por que então Jesus disse que faríamos coisas maiores do que as que ele fez?

A resposta a essa pergunta é que Jesus não quis dizer que faríamos milagres e prodígios maiores do que os que ele fez. Isso porque ninguém, nem sequer os apóstolos, foi capaz de impactar mais a história e a religião organizada do que Jesus com seus feitos miraculosos. A própria história nos ajuda a mostrar que se Jesus quis dizer que os feitos maiores seriam milagres, então ele errou, porque ninguém fez milagres maiores do que o dele. Logo, concluímos que a obra maior seria de evangelização e expansão do evangelho e, quanto isso, podemos dizer que os feitos dos apóstolos e dos discípulos foram maiores do que os de Jesus. Isso demonstra cabalmente como há distinção peculiar entre o papel missionário e implantador do Reino de Deus que Jesus possuía e o papel que ele delegou à igreja.

A questão da importância da igreja local não se encerra aqui, mas com o que foi dito acima ao menos podemos pensar sobre a importância da igreja local e organizada. Todos os crentes do Novo Testamento estavam debaixo da liderança de uma igreja local e organizada, fosse a igreja de Roma, ou de Corinto, ou de Tessalônica ou uma das sete igrejas da Ásia.

Se alguém não faz parte de uma igreja organizada, se não preza pela liderança espiritual constituída por Deus em uma igreja organizada, se não se submete à disciplina da igreja, se não coopera com seus talentos e recursos para a missão da igreja, então esse crente é espiritualmente deficiente e está falhando na missão, além de estar desobedecendo aos princípios da Palavra de Deus quanto à necessidade de fazer parte do “corpo de Cristo”, que é a igreja. É a igreja local e organizada ou pode ser um pequeno grupo? Pode ser um pequeno grupo, desde que ele tenha liderança constituída nos moldes bíblicos, desde que a ceia seja ali servida, desde que haja adoração, desde que possa haver a manifestação de dons e talentos e seja possível aos componentes cumprirem a missão da igreja em toda sua complexidade: evangelização, disciplina, pastoreio, discipulado, ordem doutrinária e caso haja recolhimento de recursos financeiros é preciso fazer com que isso seja registrado legalmente como exige a lei do nosso país. No entanto, se esse pequeno grupo falha em alguns desses pontos, então ele não é uma igreja sadia e, mais cedo ou mais tarde irá desvanecer. Na verdade, a única diferença entre uma igreja local organizada como instituição e um pequeno grupo que cumpre a missão de maneira correta é o espaço de culto e a formalidade/informalidade das reuniões. No demais, um pequeno grupo que se considera igreja deve se organizar como instituição da mesma forma. Ou seja, a ideia de “igreja orgânica” não serve aos princípios bíblicos se não cumprir integralmente a missão da igreja como está na Bíblia, e isso inclui o pastoreio, a disciplina e o serviço diaconal, por exemplo.

Se alguém não faz parte de uma igreja biblicamente organizada, então não faz parte do corpo e não pode reivindicar o direito de ser chamado filho de Deus, pois está se privando deliberadamente dos meios de graça e da comunhão do corpo de Cristo.

 

Pr. Guilherme Guimarães é Pastor-Titular na Primeira Igreja Batista Nacional no Butantã em São Paulo-SP, Professor do Departamento de Teologia Sistemática e Religiões no Seminário Teológico Batista Nacional Enéas Tognini (STBNET) em São Paulo, Secretário de Comunicação da CBN-SP, Diretor de Plantação e Revitalização de Igrejas da ABN-Oeste e membro da Secretaria Estadual de Missões da CBN-SP. Bacharel em Teologia pelo STBNET e Mestrando em Ministério pelo Seminário Batista Regular-SP. Também é Licenciando em Matemática pela USP e Professor de Álgebra no Colégio Prígule, em São Paulo.

 

 

 

logo
home   |   sobre nós   |   artigos   |   galeria   |   download   |   contato
Rua Lavradio, 424 - 01154-020 - Barra Funda - São Paulo - SP - cbnsp@uol.com.br - Tel: 11 3662-6000 / 11 3014-5050
Horário de atendimento ao público: de terça-feira à sexta-feira, das 9h00 às 17h00.
Copyright ©2019 Convenção Batista Nacional do Estado de São Paulo. Todos os direitos reservados. Desenvolvimento: MFC Comunicação.
Topo